Dia 7 – 198 km – Lago Escondido, Tolhuin e muita hospitalidade

Passamos mais tempo do que esperavamos em Ushuaia, mas tudo bem, a cidade é maravilhosa e a conhecemos de ponta a ponta. A cada minuto que passa ficamos muito felizes com a hospitalidade do povo Argentino. Dia 17 fomos ao Glaciar Perito Moreno já no final da tarde e tivemos o prazer de conhecer o Jorge, segurança noturno do parque que gentilmente ao pedirmos água nos convidou ao abrigo onde pudemos tomar um bom café e conversar desde a economia da Argentina às praias brasileiras.

No outro dia uma surpresa, chegaram 5 cicloturistas. Um casal de ingleses, um americano e um casal de canadenses que sairam de sua casa no Canada e não pararam de pedalar por 2 anos e meio, haviam acabado de chegar em seu destino final. Eles nos ajudaram bastante dando muitas dicas sobre como operar os nossos fogareiros e sobre o caminho que enfretaremos pela frente, afinal, ninguem melhor que eles para dizer.

Então ontem saímos rumo ao Lago Escondido, pedalamos por 70 km +- do camping municipal de Ushuaia (próximo ao Trem do Fim do Mundo) até um lugar seguro para dormir. Enfrentamos muito vento vindo do norte para o sul, desfavorecendo muito a pedalada, e no meio do caminho o nosso primeiro Paso, o Paso Garibaldi. Subir 500m com 50kg de equipo, vento em alta velocidade vindo na sua cara não foi facil mas chegar ao topo é uma sensação indescritivel. Logo a nossa frente a maravilhosa paisagem do Lago Escondido, com a força do vento a chuva logo se transformava em pedrinhas de gelo que batiam com força em nossos anoraks e tivemos que descer rapidamente, digo que nunca senti tanto frio na minha vida. As roupas estavam suadas e a descida demorou longos 30 minutos. Se alguem quer testar alguma roupa de frio, o Paso Garibaldi é o cara.

Após a descida encostamos em um posto policial onde pudemos maisu ma vez provar da hospitalidade argentina, um oficial chamado Harrington logo abriu a porta e nos convidou para entrar. Fomos recebidos com café com leite, tortas fritas e pão negro com doce de abóbora (vejam as fotos), como estava tarde perguntamos se havia algum lugar para colocarmos as barracas e acampar, ele nos explicou que não poderia nos deixar dormir perto do posto policial mas que logo adiante havia uma casa da Defesa Civil que com certeza nos hospedaria. Dito e feito, pedalamos mais 1 ou 2 km até encontrar o local, logo o Adrian nos convidou para entrar e nos mostrou uma casa em construção que poderiamos colocar as bicicletas e os sacos de dormir (fotos abaixo).

Hoje de manhã nos despedimos e o Adrian pediu para assinarmos um livro de visitas, folheando o tal livro vimos dezenas de assinaturas inclusive a do Fábio Zander que em 2000 fez a Pedalada del Fuego descrita no livro do mesmo nome (que comprei em uma de suas palestras, na dedicatória ele escreveu “Que este livro te ajude a pedalar por aí”, realmente ajudou).

Vindo a Tolhuin mais três cicloturistas (todos vindo rumo sul), entre eles David que saiu de Minessota faz 1 ano e esta descendo até Ushuaia, depois daqui para onde ele vai? Para a Africa, cruza-la de ponta a ponta. Que inveja!

Agora estamos na Panadaria La Union em Tolhuin, aqui eles hospedam de graça cicloturistas do mundo todo, com direito a banho quente e Wifi de graça.

Atualizei o album das favoritas no Flickr, que pode ser visto aqui: http://www.flickr.com/photos/leandrorepolho/sets/72157623427740886/

Abaixo seguem as fotos do post

Dia 2 – 21.4 km – Ushuaia

Cheguei! Ontem foi um dia cansativo. Acordei as 5:30, amarramos as bikes em cima do carro e partimos para guarulhos. Chegando lá, checkin, troca dinheiro, faz a triste despedida dos pais e embarca.

Nosso voo deu uma atrasada, chegamos as 8:30 em Ushuaia e começamos a bagunça, com direito a sujar a mão de graxa nos primeiros minutos em solo Argentino para colocar o cambio traseiro. Duas horas de arrumação depois, saimos a caça do tal camping La Pista del Andino, andamos 11km até acha-lo, meio longe do centro. No meio da noite acordei rangendo os dentes de frio, dormi só de calça e blusa de lão finissimas e o saco de dormir não foi tão eficiente quanto eu pensava. Portanto hoje fomos as compras, comprei um novo saco de dormir e um fogareiro Primus que queima combustiveis liquidos e a gas, top de linha por 800 pesos, um terço do preço do Brasil. Agora num café, tomando um chocolate quente e vendo as montanhas já cobertas de neve escrevo e deixo as fotos abaixo.

Sairemos depois de amanhã cedinho rumo ao Lago Escondido para fazer camping selvagem, 60km de pedalada com a bike toda carregada, pelo menos ainda não virá o ripio.

Seguem as fotos:

Nem tão sozinho assim

Desde que comecei a planejar a viagem tentei achar alguma companhia para fazer minha viagem. Sabia que seria tarefa dificil, afinal, não é em qualquer esquina que a gente acha alguém disposto a largar tudo, emprego, faculdade, família para viver uma aventura.

Mas hoje, meses após conceber a idéia da minha cicloviagem recebo uma feliz noticia de um colega da Bicicletada de São Paulo, ele vai comigo! Será só no começo, provavelmente no trajeto de Ushuaia até El Calafate, mas já esta de ótimo tamanho. Sua idéia é pedalar comigo, coletando o máximo de informações como fotos, vídeos para num futuro conseguir algum patrocínio e fazer uma cicloviagem maior.

Confesso que estava ficando muito ansioso em realizar a viagem sozinho, passou a ser um desejo, conquistar a Patagônia em um pedal solitário, mas agora vejo que será importante pelo menos começar com um companheiro. Afinal, nunca pedalei fora do Brasil e nunca fiz uma viagem tão longa em um lugar tão inóspito, sei que a presença de alguém trará companhia e mais segurança. Estou feliz!

Neste final de semana nos encontraremos para combinar os ajustes finais, comprar os equipos restantes e definir de vez o trajeto.

O Daniel fez um blog a parte para a viagem dele, vocês (três pessoas que entram no meu blog, rs) podem acompanhar acessando: http://bikestencil.blogspot.com/.

Abraços! Dia 15/03 esta chegando…