Dia 7 – 198 km – Lago Escondido, Tolhuin e muita hospitalidade

Passamos mais tempo do que esperavamos em Ushuaia, mas tudo bem, a cidade é maravilhosa e a conhecemos de ponta a ponta. A cada minuto que passa ficamos muito felizes com a hospitalidade do povo Argentino. Dia 17 fomos ao Glaciar Perito Moreno já no final da tarde e tivemos o prazer de conhecer o Jorge, segurança noturno do parque que gentilmente ao pedirmos água nos convidou ao abrigo onde pudemos tomar um bom café e conversar desde a economia da Argentina às praias brasileiras.

No outro dia uma surpresa, chegaram 5 cicloturistas. Um casal de ingleses, um americano e um casal de canadenses que sairam de sua casa no Canada e não pararam de pedalar por 2 anos e meio, haviam acabado de chegar em seu destino final. Eles nos ajudaram bastante dando muitas dicas sobre como operar os nossos fogareiros e sobre o caminho que enfretaremos pela frente, afinal, ninguem melhor que eles para dizer.

Então ontem saímos rumo ao Lago Escondido, pedalamos por 70 km +- do camping municipal de Ushuaia (próximo ao Trem do Fim do Mundo) até um lugar seguro para dormir. Enfrentamos muito vento vindo do norte para o sul, desfavorecendo muito a pedalada, e no meio do caminho o nosso primeiro Paso, o Paso Garibaldi. Subir 500m com 50kg de equipo, vento em alta velocidade vindo na sua cara não foi facil mas chegar ao topo é uma sensação indescritivel. Logo a nossa frente a maravilhosa paisagem do Lago Escondido, com a força do vento a chuva logo se transformava em pedrinhas de gelo que batiam com força em nossos anoraks e tivemos que descer rapidamente, digo que nunca senti tanto frio na minha vida. As roupas estavam suadas e a descida demorou longos 30 minutos. Se alguem quer testar alguma roupa de frio, o Paso Garibaldi é o cara.

Após a descida encostamos em um posto policial onde pudemos maisu ma vez provar da hospitalidade argentina, um oficial chamado Harrington logo abriu a porta e nos convidou para entrar. Fomos recebidos com café com leite, tortas fritas e pão negro com doce de abóbora (vejam as fotos), como estava tarde perguntamos se havia algum lugar para colocarmos as barracas e acampar, ele nos explicou que não poderia nos deixar dormir perto do posto policial mas que logo adiante havia uma casa da Defesa Civil que com certeza nos hospedaria. Dito e feito, pedalamos mais 1 ou 2 km até encontrar o local, logo o Adrian nos convidou para entrar e nos mostrou uma casa em construção que poderiamos colocar as bicicletas e os sacos de dormir (fotos abaixo).

Hoje de manhã nos despedimos e o Adrian pediu para assinarmos um livro de visitas, folheando o tal livro vimos dezenas de assinaturas inclusive a do Fábio Zander que em 2000 fez a Pedalada del Fuego descrita no livro do mesmo nome (que comprei em uma de suas palestras, na dedicatória ele escreveu “Que este livro te ajude a pedalar por aí”, realmente ajudou).

Vindo a Tolhuin mais três cicloturistas (todos vindo rumo sul), entre eles David que saiu de Minessota faz 1 ano e esta descendo até Ushuaia, depois daqui para onde ele vai? Para a Africa, cruza-la de ponta a ponta. Que inveja!

Agora estamos na Panadaria La Union em Tolhuin, aqui eles hospedam de graça cicloturistas do mundo todo, com direito a banho quente e Wifi de graça.

Atualizei o album das favoritas no Flickr, que pode ser visto aqui: http://www.flickr.com/photos/leandrorepolho/sets/72157623427740886/

Abaixo seguem as fotos do post