Dia 10 – Beira da Estrada, Rio Grande e muito, muito vento

Tivemos uma excelente noite de sono em Tolhuin, dorminos na Panaderia La Union totalmente grátis. É o maior prédio da cidade, uma padaria em que o dono cedeu o andar de cima para viajantes de todo o mundo. Lá conversamos com alemães, argentinos, sul coreanos e americanos. Entre as varias historias tem a do Andrew que aos 19 anos de idade após sair do colégio resolveu cair na estrada e em 5 meses chegou de Minessota até Ushuaia de bicicleta, quase 150km pedalados todos os dias, ele me contou que em toda a sua viagem eu sou a pessoa mais nova fazendo uma cicloviagem que ele já conheceu. Seu grupo no facebook é o http://www.facebook.com/group.php?gid=157084847420, a melhor parte da conversa foi a discussão entre a história do Pescador e o Homem de Negócios. É impressionante como quase todos esses viajantes sobrevivem com muito pouco dinheiro e montam estratégias para que quando a fonte estiver secando estejam proximos a alguma cidade ondem podem arranjar qualquer trabalho temporario, fazer mais dinheiro e continuar viajando, o alemão da foto ao lado esta à 5 anos na estrada.

Após fazermos o mercado (molho, atum, macarrão, alho, cebola, maçãs) saímos. 115km nos separavam de Rio Grande e na metade do caminho resolvemos parar e fazer um acampamento na beira da estrada com direito a fogueira tão recomendada pelos amigos alemães e argentinos. Nesse trajeto vimos muitos Guanacos, Vacas, Patos e Ovelhas. É incrível o tamanho dos pastos aqui. Se pedalam por quilometros e quilometros até chegar a uma estância (fazenda).

Depois de montar o camping fiz um “macarrão a lenha”, demos um jeito de encaixar as panelas em cima da madeira e cozinhar tudo. Ficou particularmente divino (ou era a fome mesmo), matamos mais uma garrafa de vinho (peso obrigatório na bagagem que já soma quase 50kg).

A quantidade de veículos nesse trecho da Ruta 3 é muito baixo, portanto a noite foi muito tranquila.

Acordamos 10:30, preparamos o café e pedalamos por mais uns 30 km até avistarmos pela primeira vez o Oceano Atlântico, os ventos vindos do oeste foram a pior parte do trajeto mas o dia estava lindo e ouso dizer que esta foi a paisagem mais bonita que eu já ví em toda a minha vida.

No meio do caminho mais um cicloturista, já somamos 10 loucos pela Patagônia. Desta vez um engenheiro japonês, largou tudo no Japão para descer do Alaska a Ushuaia de bicicleta. Esta a 10 meses na estrada e depois começará a subir rumo ao Brasil, completando um tipo de V na América do Sul.

Chegamos ontem as 18:00 em Rio Gallegos, achamos um albergue que aceita barracas por 30 pesos com café da manhã, ainda fomos recebidos em português. Um brasileiro chamado José esta trabalhando aqui já fazem alguns meses, ele é quimico mestrado pela USP e esta fugindo um pouco da loucura de São Paulo. O albergue se chama Hostel Argentino, recomendado!

Aproveitamos que esta é uma cidade grande (maior que Ushuaia, por volta de 80.000 habitantes) para dar uma geral na roupa, lavamos quase todas as peças de roupas por 6 pesos. Hoje descansaremos e amanhã seguimos para San Sebastian, enfretar muito rípio (disseram que este trecho é o pior de todos).

Abaixo algumas fotos.

Dia 7 – 198 km – Lago Escondido, Tolhuin e muita hospitalidade

Passamos mais tempo do que esperavamos em Ushuaia, mas tudo bem, a cidade é maravilhosa e a conhecemos de ponta a ponta. A cada minuto que passa ficamos muito felizes com a hospitalidade do povo Argentino. Dia 17 fomos ao Glaciar Perito Moreno já no final da tarde e tivemos o prazer de conhecer o Jorge, segurança noturno do parque que gentilmente ao pedirmos água nos convidou ao abrigo onde pudemos tomar um bom café e conversar desde a economia da Argentina às praias brasileiras.

No outro dia uma surpresa, chegaram 5 cicloturistas. Um casal de ingleses, um americano e um casal de canadenses que sairam de sua casa no Canada e não pararam de pedalar por 2 anos e meio, haviam acabado de chegar em seu destino final. Eles nos ajudaram bastante dando muitas dicas sobre como operar os nossos fogareiros e sobre o caminho que enfretaremos pela frente, afinal, ninguem melhor que eles para dizer.

Então ontem saímos rumo ao Lago Escondido, pedalamos por 70 km +- do camping municipal de Ushuaia (próximo ao Trem do Fim do Mundo) até um lugar seguro para dormir. Enfrentamos muito vento vindo do norte para o sul, desfavorecendo muito a pedalada, e no meio do caminho o nosso primeiro Paso, o Paso Garibaldi. Subir 500m com 50kg de equipo, vento em alta velocidade vindo na sua cara não foi facil mas chegar ao topo é uma sensação indescritivel. Logo a nossa frente a maravilhosa paisagem do Lago Escondido, com a força do vento a chuva logo se transformava em pedrinhas de gelo que batiam com força em nossos anoraks e tivemos que descer rapidamente, digo que nunca senti tanto frio na minha vida. As roupas estavam suadas e a descida demorou longos 30 minutos. Se alguem quer testar alguma roupa de frio, o Paso Garibaldi é o cara.

Após a descida encostamos em um posto policial onde pudemos maisu ma vez provar da hospitalidade argentina, um oficial chamado Harrington logo abriu a porta e nos convidou para entrar. Fomos recebidos com café com leite, tortas fritas e pão negro com doce de abóbora (vejam as fotos), como estava tarde perguntamos se havia algum lugar para colocarmos as barracas e acampar, ele nos explicou que não poderia nos deixar dormir perto do posto policial mas que logo adiante havia uma casa da Defesa Civil que com certeza nos hospedaria. Dito e feito, pedalamos mais 1 ou 2 km até encontrar o local, logo o Adrian nos convidou para entrar e nos mostrou uma casa em construção que poderiamos colocar as bicicletas e os sacos de dormir (fotos abaixo).

Hoje de manhã nos despedimos e o Adrian pediu para assinarmos um livro de visitas, folheando o tal livro vimos dezenas de assinaturas inclusive a do Fábio Zander que em 2000 fez a Pedalada del Fuego descrita no livro do mesmo nome (que comprei em uma de suas palestras, na dedicatória ele escreveu “Que este livro te ajude a pedalar por aí”, realmente ajudou).

Vindo a Tolhuin mais três cicloturistas (todos vindo rumo sul), entre eles David que saiu de Minessota faz 1 ano e esta descendo até Ushuaia, depois daqui para onde ele vai? Para a Africa, cruza-la de ponta a ponta. Que inveja!

Agora estamos na Panadaria La Union em Tolhuin, aqui eles hospedam de graça cicloturistas do mundo todo, com direito a banho quente e Wifi de graça.

Atualizei o album das favoritas no Flickr, que pode ser visto aqui: http://www.flickr.com/photos/leandrorepolho/sets/72157623427740886/

Abaixo seguem as fotos do post